“Cada vez vai ser mais difícil”, diz secretária de Saúde de Balneário sobre aglomerações

“Cada vez vai ser mais difícil”, diz secretária de Saúde de Balneário sobre aglomerações

Leila Crocomo - Foto Divulgação

A secretária de Saúde de Balneário Camboriú, Leila Crocomo, disse que equipes da secretaria atuaram no feriado prolongado e muito movimentado, com orientações e fiscalizações na praia central, mas reconhece que está ‘cada vez mais difícil’ conter as pessoas em casa.

“Seguimos orientando, o uso de máscara continua obrigatório, assim como aglomerações devem ser evitadas e o distanciamento social tem que ser levado a sério, mas realmente não tem acontecido. A maioria de quem insiste em descumprir são os visitantes, percebemos que os moradores da cidade estão conscientes, mas há a preocupação, porque eles [os turistas] podem trazer o vírus pra cá ou levarem para as suas cidades”, diz, citando a situação do feriadão.

Leila diz que quanto mais gente circulando pela cidade, mais difícil fica o trabalho de orientação e fiscalização. E com a chegada do verão, isso tende a piorar.

“Cada vez vai ser mais difícil, principalmente no verão. As pessoas vêm pra cá em férias, a passeio, e se ‘despreocupam’. Mas Balneário ainda tem casos de Covid-19 (6.624 casos ao total, sendo 135 em tratamento, e 92 óbitos – dados de 12 de outubro, quando a cidade registrou 11 novos casos) e protocolos que precisam ser seguidos”, explica Leila.

Ausência de máscara preocupa

Uma das principais preocupações da Secretaria de Saúde vem sendo o aumento do número de pessoas que estão deixando de usar máscara, principalmente na rua e em locais públicos, como na praia, já que em ambientes fechados, como supermercados, o próprio estabelecimento cobra o uso.

“Visivelmente muitas pessoas estavam sem máscara no feriado, agora teremos que observar se haverá algum impacto no número de casos na cidade por conta disso. Também iremos continuar a orientar e focar na prevenção, porque é o que podemos fazer agora”, acrescenta.

Segundo Leila, ambientes privados, como hotéis, bares e restaurantes estão colaborando e cobrando as normas sanitárias de prevenção ao Covid-19. Porém, no caso dos restaurantes e bares, o público acaba ficando sem máscara na maior parte do tempo já que estão consumindo alimentos e/ou bebidas.

“Orientamos que a comunidade siga tomando cuidado, porque a pandemia não acabou. O uso de máscara e a higienização das mãos seguem sendo imprescindíveis, tanto que também notamos a diminuição dos casos de gripes e resfriados por conta dessa conscientização”, completa.