Crise do vice-prefeito: MP alerta que atos praticados por Probst e Gelson podem não ser válidos

Relacionadas

O vereador Nilson Probst, em exercício da presidência da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú, disse ao Página 3 na manhã desta quinta-feira, 8, que não assinará ou praticará qualquer ato de presidência até devolver a função ao titular do Legislativo.

Ele enviou ofício ao vereador em exercício do cargo de prefeito, Gelson Rodrigues, alertando-o a proceder da mesma forma, em decorrência de recomendação do Ministério Público neste sentido.

A crise decorre do fato que o vice-prefeito, Carlos Humberto Metzner Silva, se recusa a cumprir a Lei Orgânica de Balneário Camboriú que o obriga a assumir a prefeitura na ausência do prefeito Fabrício Oliveira, que está no exterior.

Carlos Humberto está na cidade ou se ausentou de maneira ilegal, sem autorização da Câmara de Vereadores. Ele que não quer assumir para poder concorrer a deputado, mas também não renuncia ao cargo de vice-prefeito, o que cria um impasse devido ao desrespeito às leis vigentes

Veja principais trechos da recomendação do MP:

Mais notícias dessa editoria

Advertisment

Leia também