Fiscalização fecha sete estabelecimentos em Balneário, e contaminado com Covid-19 vai a restaurante na Brava

Fiscalização fecha sete estabelecimentos em Balneário, e contaminado com Covid-19 vai a restaurante na Brava

A equipe de fiscalização de Balneário Camboriú fechou neste final de semana sete estabelecimentos que estavam causando aglomerações, entre eles um ‘bailão’ na Rua Corupá, no Bairro dos Municípios, e novamente o La Belle, balada conhecida que fica na Avenida Atlântica e já havia sido interditada em meados de maio pelo mesmo motivo. Também houve outra situação que repercutiu: no sábado (13) um homem que está com Coronavírus esteve em um restaurante na Praia Brava de Itajaí e postou fotos nas redes sociais. mas ele nega que esteve lá.

La Belle, reincidente 
Bailão na Rua Corupá

Foi ou não foi?

A Secretaria de Saúde de Balneário Camboriú recebeu denúncias no sábado (13) de que um homem que está com Coronavírus estava em um restaurante na Praia Brava de Itajaí. Ele postou fotos e vídeos do almoço na rede social Instagram. Nem todas as pessoas que contraem Covid-19 precisam ser internadas, mas o isolamento social é obrigatório para não contaminar outras pessoas. O homem denunciado vinha sendo acompanhado pela Secretaria de Saúde de Balneário, porque reside na cidade.

A Secretaria de Saúde tentou contato telefônico com o homem, mas ele não atendeu. Com apoio da Vigilância Sanitária de Itajaí, já que ele estaria na Praia Brava, a PM e equipe da Saúde de Balneário foram até o local que aparecia nas fotos, mas o homem não estava mais lá e nem na casa onde mora. Horas depois, o homem foi localizado via telefone e negou a ida ao restaurante, além de ter apagado as imagens que estavam no Instagram.

O Ministério Público foi notificado sobre a situação e a Secretaria da Saúde informou o denunciado sobre a responsabilidade dele, já que pode ter contaminado outras pessoas.

A ocorrência é de extrema preocupação, já que as UTIs e hospitais de Balneário e região estão lotados ou perto de atingir a lotação. O prefeito Fabrício Oliveira está em contato com prefeitos da Amfri e há chances de fazer lockdown, já que o Governo do Estado não está apoiando Balneário e os demais municípios atendidos pelos hospitais Ruth Cardoso e Marieta Konder Bornhausen, de Itajaí e a contaminação está crescendo rápido na região.

Estabelecimentos fechados durante o feriado

O diretor de Fiscalização de Obras, Planejamento e Posturas de Balneário Camboriú, Matheus Rafaeli, explica que a operação de fiscalização foi intensificada e aconteceu desde o feriado de Corpus Christi, na quinta-feira (11), com equipes percorrendo estabelecimentos para verificar se estavam cumprindo as regras de prevenção ao Coronavírus, com destaque para o distanciamento social, uso de máscara e evitar aglomerações.

Segundo Matheus, 16 estabelecimentos não estavam respeitando as medidas de segurança, e sete foram fechados por estarem sem condições de continuar em funcionamento, devido ao grande número de pessoas.

O Bartolomeu, bar que fica na Avenida Atlântica com a Rua 1.500 foi denunciado por estar ocupando a calçada com mesas e cadeiras, mas a situação foi resolvida na mesma hora e o local não precisou ser fechado. Porém, foi diferente no La Belle, conhecida balada que fica na Atlântica, na Barra Sul. O local já havia sido interditado em maio e novamente foi fechado.

“Já estávamos monitorando desde sexta-feira (12) e no sábado (13) batemos lá, e as atividades foram encerradas. Havia inúmeras pessoas lá dentro, desrespeitando várias medidas de segurança sanitária”, diz.

Enquanto atendiam essa ocorrência, os fiscais foram avisados que um ‘bailão’ acontecia na Rua Corupá, no Bairro dos Municípios, em um galpão.

“Era totalmente fechado, insalubre, sem nenhum tipo de higiene, não havia outra alternativa além de encerrar a atividade e lacrar o local”, afirma.

Fiscalizações continuam

O diretor aproveita para lembrar que a fiscalização segue acontecendo, focando nos estabelecimentos que estão desrespeitando a população, sem cuidados com a prevenção ao Coronavírus, principalmente porque os casos seguem aumentando.

“Vamos continuando a trabalhar de maneira firme para que os locais irregulares não funcionem dessa forma, para que tudo não tenha que ser fechado novamente. É preocupante, pedimos que as pessoas tenham consciência, a vida ainda não voltou ao normal e estamos estudando medidas mais rígidas para reincidentes que insistem nessas irregularidades”, completa.