Francieli: deficiência em compra de vacinas dificulta planejamento do PNI

Relacionadas

A ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) Francieli Fantinato avaliou que as dificuldades na compra de vacinas e constantes atrasos na entrega de imunizantes, que forçam o cronograma de vacinação no País a sofrer alterações, acabam esgotando a equipe responsável pelo PNI e dificultam o planejamento da vacinação no Brasil a longo prazo.

“A gente precisava toda hora refazer os cronogramas e isso acaba esgotando bastante a equipe. Foi e continua sendo um processo difícil, porque os quantitativos às vezes mudam e a gente não consegue fazer um planejamento a longo prazo”, declarou, durante seu depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

A ex-coordenadora também declarou que em um primeiro momento foi levado à Secretária Executiva do Ministério da Saúde a necessidade de compra de 140 a 242 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 – desconsiderando a segunda dose, possibilidade que ainda não era considerada na época – para poder controlar a transmissão da doença. De acordo com Francieli, o cálculo foi levado à cúpula do Ministério em 19 de junho do ano passado, e mesmo com a sugestão, o governo optou por adentrar no consórcio Covax Facility requisitando a cobertura mínima de vacinas, de apenas 10% da população.

A ex-coordenadora também criticou as campanhas de vacinação no País. Em sua avaliação, é necessário ter um campanha agressiva de divulgação da vacinação no Brasil. Ela classificou as campanhas realizadas no País até agora como muito discretas.

The post Francieli: deficiência em compra de vacinas dificulta planejamento do PNI first appeared on Página 3 – Notícias de Balneário Camboriú.

Mais notícias dessa editoria

Advertisment

Leia também