Rua Boa Vista no Nova Esperança. Valorização deve atingir toda a cidade.

(WALDEMAR CEZAR NETO) – O prefeito Fabrício Oliveira assinará hoje à tardinha a licitação para alargar a faixa de areia da praia central, obra avaliada em cerca de R$ 85 milhões e que dará retorno bilionário imediato para toda a comunidade.

Esse retorno é estimado em até 20%, portanto uma casa que vale R$ 100 mil passará a valer R$ 120 mil em poucas semanas como efeito da obra, um efeito que os economistas chamam de mais-valia

Quem calculou e passou os números à reportagem foi o próprio prefeito Fabrício: Balneário Camboriú tem 50.420 apartamentos, 11.581 casas, 4.709 terrenos, 7.156 lojas … são milhares de imóveis e se em cada um for colocado um preço médio conservador, a valorização imobiliária instantânea decorrente do alargamento da praia totalizará cerca de R$ 7 bilhões.

Outras simulações de valorização imobiliária menos otimistas foram feitas pelo prefeito e na pior da hipóteses, se os imóveis valorizassem apenas 1%, o total chegaria a quase R$ 350 milhões.

Essas contas foram feitas deixando de lado 53.682 imóveis, dentre eles garagens, galpões telheiros etc. devido à dificuldade de lhes atribuir um preço médio, portanto o total de ganhos envolvidos é ainda mais expressivo 

Com o alargamento, o atual prefeito está fazendo o que Leonel Pavan fez 29 anos atrás quando mudou a história da cidade revitalizando a Avenida Atlântica.

Muitas pessoas falam que esses R$ 85 milhões deveriam ser investidos em saúde ou educação porque desconhecem que a cidade precisa desesperadamente gerar mais riqueza para exatamente sustentar as despesas com saúde, educação, segurança, saneamento etc.

Entre 2014 e 2017 o Produto Interno Bruto (PIB) per capita de Balneário Camboriú estagnou, com a inflação do período nossa população ficou mais pobre.

Entre 2008 e 2016 caímos da 4a para a 7a colocação no Brasil como destino dos turistas estrangeiros. Nossos concorrentes, dentre eles Bombinhas e Florianópolis, cresceram e nós decaímos.

Há 15 anos Balneário Camboriú não inaugura um atração turística de peso e nossas políticas públicas levaram ao encolhimento da hotelaria, economicamente regredimos em vez de progredir.

Por isso desde o já citado Leonel Pavan, passando pelos prefeitos Luiz Castro, Rubens Spernau e Edson Piriquito todos investiram em estudos e projetos para o alargamento, cabendo a Fabrício, pela progressão do assunto, a responsabilidade de licitar e executar a obra.

Que aconteça logo.

(Waldemar Cezar Neto é editor do Página 3).