Laboratório de Fitoterapia distribuiu mais de 10 mil produtos em seis meses

Relacionadas

Foto: Silvana de Castro

(PMBC) Nos primeiros seis meses de atividade do Laboratório de Fitoterapia Edgar Eipper, 10.249 produtos foram distribuídos à população, entre chás, tinturas, cremes, xaropes, pomadas e sabonetes.

Inaugurado em 11 de dezembro de 2017, o laboratório está em um prédio de 91,25 m² no Parque Natural Municipal Raimundo Gonçalez Malta. Desde janeiro, produtos feitos com plantas medicinais pelo laboratório podem ser retirados gratuitamente, nas segundas, quartas e sextas-feiras, das 13h30 às 18h. Para obtê-los, o interessado deve se cadastrar no Departamento de Fitoterapia da Secretaria do Meio Ambiente (SEMAM), que fica também no Parque. É preciso apresentar o CPF. Até 1º de junho, 3.287 pessoas estavam cadastradas.

“Isso nunca deveria acabar. É a melhor coisa que tem”, comentou a aposentada Izadir Serafim da Silva, 67 anos, que, na segunda-feira (18), foi ao laboratório para retirar chás de alfavaca e de guapo, para a bronquite do marido, e pomada de arnica, para as dores que ela sente no ombro. Ela é cliente antiga dos produtos fitoterápicos do Parque.

“Sempre que possível venho aqui. Acho os produtos ótimos”, disse a contabilista Paola Metzner, 37, que levou para casa chás para gripe, como o guaco, e para a insônia, como o cidrão.

A matéria-prima usada na elaboração dos fitoterápicos é cultivada no Parque. O laboratório, a farmácia fitoterápica e o horto de plantas medicinais do Parque fazem parte do Projeto Plantas que Curam. A produção é acompanhada por uma farmacêutica responsável.

Para o segundo semestre de 2018, a Secretaria do Meio Ambiente (SEMAM) pretende implantar o serviço voluntário na fitoterapia, em conformidade com a lei federal 13.297 (a qual considera serviço voluntário a atividade não remunerada prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou a instituição privada de fins não lucrativos que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência à pessoa). De acordo com a diretora de Fitoterapia da SEMAM, Nayara M. Hirsch, a intenção é propiciar que a comunidade que gosta de estar em contato com a natureza possa desempenhar atividades manuais e ligadas ao meio ambiente.

Quantidade de produtos distribuídos até 1º de junho:

Chá de ervas: 6.413
Tinturas de ervas: 1.328
Creme: 33
Xarope: 171
Pomada: 1.523
Sabonete de erva: 748
Gel de babosa: 17 (experimental)
Loção repelente de citronela: 16 (experimental)
Total de produtos distribuídos: 10.249
Pessoas cadastradas: 3.287

Mais notícias dessa editoria

Advertisment

Leia também

Inclusão Social realiza Censo sobre população de rua de Balneário Camboriú

A Secretaria da Inclusão Social está fazendo um Censo sobre a População de Rua e nos três dias em que o trabalho iniciou, atendeu...

Dívida histórica de Balneário Camboriú com a Comunidade Quilombola marca o dia da Consciência Negra.

A matriarca da Comunidade Quilombola do Morro do Boi, Margarida Jorge Leodoro, ‘Dona Guida’, 88 anos, parteira, benzedeira, moradora antiga de Balneário Camboriú, está...

Conheça o currículo e as ideias dos sete novos vereadores de Balneário Camboriú

Os vereadores reeleitos falam de suas propostas para este novo mandato. Veja também opiniões de quem não se elegeu. Por Marlise Schneider Cezar e...