Mais segurança e despoluição dos rios foram os mais citados na enquete: o que daria de presente para Balneário Camboriú nestes 58 anos

Relacionadas

Para comemorar os 58 anos de Balneário Camboriú, o jornal Página 3 realizou uma enquete com cinco segmentos, todos com a mesma pergunta: o que gostaria de dar de presente para a cidade pelos 58 anos?

Foram ouvidos empresários, políticos, representantes de organizações civis, meios de comunicação e moradores.

Os presentes mais citados foram mais segurança e despoluir os rios, especialmente o rio Camboriú.

A reportagem ouviu os responsáveis por segurança e meio ambiente, para falar sobre o cenário atual das duas questões.

A relação dos presentes mais citados demonstra cuidados da população com a cidade e também servem como referência para os administradores.

Acompanhe pela ordem os mais citados:

  • Mais segurança; 
  • Questões ambientais com destaque para despoluição dos rios; saneamento de Camboriú; alcançar 100% balneabilidade; mais árvores;
  • Mais investimentos em educação com destaque para educação integral;
  • Mobilidade urbana com destaque para melhores acessos da BR-101 à cidade, mais ciclovias; transporte aquático; acessibilidade; reestruturação viária; transporte coletivo eficiente;
  • Saúde: tornar o Ruth Cardoso regional; hospital infantil com leitos de UTI; Centro Médico de nivel nacional/internacional;
  • Tecnologia: Incubadora tecnológica; geração de empregos deste setor;
  • Humanização: Cuidar das pessoas para um BC para todos; igualdade social
  • Plano Diretor; planejamento estratégico;
  • Turismo: reurbanização da Atlântica; ocupação anual de 70%; ser reconhecida internacionalmente;
  • Esporte: Centro de Treinamento Atletas; Centro de Referência para Atletas com Deficiência;
  • Política: representação na política estadual e federal;
  • Cultura: valorizar as artes locais; galeria para exposições de nível nacional e internacional.

“A despoluição dos rios é nosso maior enfrentamento”, diz secretária do Meio Ambiente

Secretária Heloísa Lenzi (Divulgação)

A secretária do Meio Ambiente, Heloísa Furtado Lenzi disse que a despoluição dos rios é o maior enfrentamento e é tão prioritário quanto foi o alargamento da Praia, no entanto não possui uma única solução e nem uma única causa. 

‘Marambaia está embaixo da cidade…’

“A despoluição de rios precisa de ações contínuas e estruturantes. Neste sentido a Emasa tem feito os enfrentamentos necessários para avançar no saneamento. O Douglas Beber e sua equipe fizeram acontecer com muita coragem e com apoio comunitário a obra do Rio das Ostras. Foi um grande marco para os moradores que sofriam diariamente a problemática de um rio assoreado e poluído. Possui o mesmo apoio popular para despoluição do Marambaia que avança em passos mais lentos por conta do licenciamento, mas que é assunto diário da pasta na busca por soluções. O Marambaia está embaixo da cidade, portanto qualquer ação é muito mais complexa”.

‘Rios menores também’

“Levar a rede de esgoto para as praias agrestes e garantir a manutenção da vegetação das áreas de preservação permanente dos cursos d’água é a garantia de que aquelas praias nunca serão poluídas. Temos rios menores, como o Ribeirão Pedro Pinto Correia, pelo qual a população também já se movimenta junto a Emasa para despoluição”.

‘Rio Camboriú não depende só da gestão de BC’

“Ainda temos a grande problemática do Rio Peroba e Rio Camboriú. Infelizmente a solução não depende só da gestão pública de Balneário. Precisamos que a população dos dois municípios nos ajude a cobrar uma solução efetiva para o saneamento de Camboriú. Precisamos de mais fiscalização e cobrança dos órgãos de controle para que seja apresentado e cumprido um cronograma de metas. Que se comece pelo primeiro metro de rede de coleta instalado. Mas que inicie já…”


‘Balneário de Águas Limpas’ prioriza despoluição dos rios, mas não depende só de Balneário Camboriú’

Solução do Rio Camboriú começa em Camboriú (Foto Lilian Martins)

A afirmação é do presidente da Emasa, Douglas Beber, dizendo que o programa ‘Balneário de Águas Limpas’ é uma bandeira desde o início do governo, mas não opera milagres, e especificamente no caso do Rio Camboriú, precisa da ajuda da população dos dois municípios e de uma decisão do governo do município vizinho.

Douglas Beber, da Emasa (Divulgação/Emasa)

Rio Camboriú: impossível sem saneamento da vizinha

“O problema da poluição do rio Camboriú tem como aspecto principal a falta de saneamento do município vizinho. Tivemos algumas reuniões com o prefeito Élcio, onde o prefeito Fabrício inclusive se colocou à disposição para ajudar nesse tema, indicando a possibilidade de realização de um consórcio entre os municípios para implantação da rede coletora de esgoto em Camboriú. Não tem como despoluir o rio sem sanear o município vizinho antes”.

Rio Marambaia: prioridade é a dragagem  

“Em setembro/2021, foi protocolado junto ao Instituto do Meio Ambiente (IMA), pedido de licenciamento para obra de Revitalização do Rio Marambaia – da Rua 1.901 até a desembocadura no Pontal Norte – que contempla dragagem do rio, a limpeza, contenção das margens e readequação da calha. O projeto também prevê a criação de um Parque Linear. E por ser um projeto mais complexo e de análise criteriosa, a Emasa solicitou que fosse dado prioridade para a dragagem, o que já teve sinalização positiva do IMA para o pedido – uma medida urgente e necessária para melhorar as condições e aspecto do Marambaia”.

Rio das Ostras: trabalho quase concluído

Trecho do Rio das Ostras, antes…
…e depois das melhorias (Divulgação/Emasa)

“Uma demanda antiga da comunidade era a questão do Rio das Ostras, que além da poluição, estava assoreado e os moradores sofriam há anos com os alagamentos decorrentes das chuvas. Mediante um parecer da Defesa Civil e um decreto de emergência do prefeito, fizemos a contratação de empresa de engenharia e iniciamos em março de 2021 a execução de limpeza das margens, dragagem, readequação de calha do rio e muretas de contenções em alguns trechos. Faltando apenas um trecho que é considerada área de mangue e aguardamos autorização do IMA para concluir. Ainda assim, já resolveu o problema que lá existia”.


Segurança: “Os acontecimentos daqui ganham muito destaque”, diz Comandante da Guarda Municipal

Muitas prisões realizadas (Divulgação/GM)

A afirmação é do Comandante da Guarda Municipal, Douglas Ferraz, que concorda que segurança é sempre uma prioridade, apesar de Balneário Camboriú ser uma cidade bastante segura.

Comandante Ferraz com secretário da Segurança Antonio Gabriel Castanheira Jr. (ivulgação/GMBC)

“Crimes violentos são raros aqui”

“Mesmo Balneário sendo uma cidade bastante segura, os acontecimentos daqui ganham muito destaque. São raros os crimes violentos na cidade, mas acontecem muitos furtos, que causam um prejuízo muito grande. Hoje, ter o celular furtado prejudica o seu trabalho, a sua vida pessoal. São muitas informações que constam no aparelho, fora que alguém comprou, que às vezes até ainda está pagando por aquilo. Ainda assim, em 2021, foi feito um levantamento por um grupo de construtoras porque os imóveis de Balneário valorizaram em 15% e a resposta dos investidores foi que aqui investiram por conta, também, da segurança pública. Após isso, o prefeito Fabrício Oliveira nos chamou e repassou maiores recursos para ampliarmos as nossas ações”.

Mais de mil operações e prisões de 95 foragidos

Operação Liberdade no centro, sem data para acabar (Divulgação/GM)

“Somente neste ano, a Guarda Municipal realizou 1.182 operações, cumpriu 95 mandados de prisão de foragidos, realizou 560 conduções à delegacia e recuperou 37 veículos em diversas operações pela cidade, como a Liberdade, que segue no centro sem data para acabar, e também ações pelos bairros, incluindo operações com a Fiscalização e demais forças da segurança, além de palestras nas escolas e aulas de defesa pessoal para pessoas em vulnerabilidade”.

Futuro: nova sede e bases na Atlântica

“Na nova sede vamos ter espaço o suficiente para melhorar algumas questões, como estrutura para a escola para capacitar outros Guardas, a exemplo de Porto Belo, que já formamos; teremos sala de reuniões e uma central de monitoramento quatro vezes maior do que a atual”.

(A GM irá se mudar em agosto para a nova sede, na Marginal, no Bairro dos Municípios). 

Novas bases na beira mar

“Na Avenida Atlântica, com o projeto de reurbanização, teremos novas bases e um projeto com câmeras de última geração. Os moradores nos oferecem as câmeras de seus prédios, mas precisamos ter câmeras com tecnologia. Precisamos de câmeras inteligentes. Há um projeto de Israel que oferta essa tecnologia, que alerta quem está monitorando sobre possíveis crimes; por exemplo, uma pessoa passando várias vezes no mesmo lugar, captura som e iluminação diferente também, como um incêndio”.

Uniformes e armas também

“O armamento está sendo complementado. Fizemos orçamento para 170 armas, mas com a instabilidade econômica subiu muito o valor e só conseguimos adquirir 119, agora estamos no processo para comprar as restantes. Também estamos trabalhando para trocar os uniformes, que serão de primeira qualidade, como os utilizados hoje pela Polícia Rodoviária Federal”.

Mais notícias dessa editoria

- publicidade -

Leia também