Ministério Público recomenda suspensão do Réveillon em Balneário Camboriú

Relacionadas

Prefeito será processado se não cumprir a determinação

Sete promotores de Balneário Camboriú assinaram nesta quinta-feira, 12, recomendação ao prefeito Fabrício de Oliveira para que se abstenha de promover o Réveillon em Balneário Camboriú, sob pena de ser processado por improbidade administrativa.

A recomendação se dá por motivos óbvios: a pandemia não acabou; pode haver uma segunda onda como está acontecendo na Europa; a covid-19 ganhou força em Balneário Camboriú nos feriadões devido a comportamentos irresponsáveis e é obrigação do prefeito proteger a saúde da população.

Por outro lado, suspender o Réveillon diminui a atratividade de Balneário Camboriú para os turistas, o que deve resultar em queda da atividade econômica.

Quando o Ministério Público assina em bloco uma recomendação, como ocorreu neste caso, é sinal inequívoco que se o prefeito não cumprir a determinação será processado.

Fabrício de Oliveira tem cinco dias, contados de hoje, para responder ao Ministério Público.

Mais notícias dessa editoria

Advertisment

Leia também