Reunião discutiu o transporte coletivo em Balneário Camboriú: outros encontros vão acontecer

Relacionadas

Cerca de 50 pessoas participaram da reunião pública, na manhã desta terça-feira (7), no Hotel Geranium, para discutir a situação do transporte público na cidade, entre elas, o prefeito em exercício, Gelson Rodrigues e os vereadores Nilson Probst, Cristiano José dos Santos, Anderson Santos, Arlindo Cruz, Juliana Pavan, Lucas Gotardo e Patrick Machado, BC Trânsito e a concessionária BC Coletivo (PGTur).

Divulgação/BC Coletivo

O transporte coletivo de Balneário Camboriú passa por um momento delicado, a falta de passageiros (relembre aqui) e segundo, o diretor-presidente da BC Trânsito, Ricieri Ribas esta foi a primeira reunião de uma ‘série’ de futuras que acontecerão. 

“A expectativa é fazer uma série de reuniões com a sociedade organizada e moradores. A próxima será na Câmara, em data a ser agendada. Mas queremos que seja logo – a ideia é cumprir a agenda até, no máximo, a primeira quinzena de julho. Foi muito produtivo, conseguimos mostrar o histórico do transporte coletivo na cidade, informações do uso e importância do ônibus em outros locais – do Brasil e outros países e colocamos ‘em choque’ a pirâmide existente hoje: em Balneário a prioridade é para transporte individual ao invés de transporte coletivo, e a prioridade deveria ser o coletivo”, salienta.

Durante a reunião, foram expostas as necessidades atuais do transporte coletivo, como faixas preferenciais, o terminal coletivo urbano e o incentivo ao uso de ônibus por moradores da cidade, já que hoje a BC Coletivo enfrenta problemas financeiros por conta da baixa adesão. 

“Teve boa participação de entidades importantes – pessoal do turismo (bares, restaurantes e hotéis), comércio também, mas senti falta da construção civil porque é uma demanda que pode contribuir”, diz, citando que percebeu que há preocupação por parte dos usuários, que não querem que o transporte coletivo de Balneário pare novamente. 

“Mas percebemos que as pessoas precisam entender mais que o transporte coletivo precisa ser prioridade e utilizado por todos, independente da classe social”, comenta.

Divulgação/BC Coletivo

O que diz a BC Coletivo

Segundo a assessoria da BC Coletivo, as opiniões foram ‘uníssonas’, com o entendimento da necessidade do subsídio + faixas de serviço, para melhorar a qualidade do trânsito e assim aumentar a demanda, com reflexos no trânsito e segurança. As OCS trouxeram as carências e, de fato, se encaixam com as possibilidades que a empresa vê para melhorar o serviço.

O diretor da BC Coletivo, Rodrigo Gurzinski, disse que a iniciativa de fazer as reuniões foi ‘muito boa’, já que através delas será possível interagir diretamente com a comunidade. 

“Chegou a vez de investir no transporte coletivo urbano de Balneário Camboriú, uma cidade que vem investindo em inúmeros setores da economia, e agora chegou a hora do transporte coletivo passar por mudanças, por isso fizemos questionamentos – qual o modal que Balneário precisa ter, e nós como prestadores de serviço estamos à disposição da população, do Poder Público e Legislativo, com vereadores engajados participando da reunião – tenho certeza que o Legislativo nos ajudará muito, e o Executivo também. Tenho certeza que teremos ótimos resultados. Enquanto empresa, entendemos que o transporte coletivo precisa de muitas mudanças, não está como nós gostaríamos, temos muito a melhorar, e acredito que esse será o primeiro passo”, comentou.

A BC Trânsito e a BC Coletivo estão em busca de dados sobre a utilização do transporte coletivo na cidade, por isso pedem que moradores respondam esta pesquisa – independente se utiliza ou não o coletivo atualmente: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScm_vxEntPwkRAvkbXQ9s8vg_G5mhODDPORp1qN2PupQTH-Vg/viewform.

Mais notícias dessa editoria

Advertisment

Leia também