Situação das UTIs neo, pediátrica e adulta em SC é preocupante: Balneário Camboriú também vive lotação

Relacionadas

A lotação das UTIs adulto, neonatal e pediátrica em Santa Catarina é preocupante, tanto nos hospitais públicos quanto nos privados. O governador Carlos Moisés anunciou nesta segunda-feira (30) a abertura de 68 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal e pediátrica em até 90 dias. O Estado tem 13 pacientes na espera. Destes 68, seis são na região de Balneário Camboriú (Hospital Pequeno Anjo, em Itajaí). 

Situação de Balneário Camboriú está sendo monitorada

A diretora do Hospital Municipal Ruth Cardoso, Syntia Sorgato, explica que estão monitorando constantemente a situação de ocupação da UTI adulto e Neonatal. 

“A maior preocupação é que os 10 leitos de UTI para adultos permanecem 100% ocupados, e não temos leitos suficientes no Estado para absorver a demanda adicional. Todos os pacientes que necessitam de UTI são cadastrados no sistema estadual de regulação (SISREG) para busca de vaga, sempre que não há vaga disponível no hospital e na região. Para gerenciar e agilizar o processo, a Secretaria de Saúde Municipal contratou médicos que trabalham 24h por dia na função de administrar a ocupação de leitos e procurar vagas para todos que venham a necessitar”, diz.

Neste ano, de janeiro até hoje (segunda-feira, 30 de maio), a ocupação das diárias de UTI adulto foi de 37% de pacientes de Balneário Camboriú, 33% de Camboriú, 15% de Itapema, 9% de Porto Belo e Bombinhas e 6% de outros municípios. 

“No momento, hoje, 30, às 17h30, estamos com 100% de ocupação da UTI Neonatal e adulto, com um paciente no PS adulto cadastrado no SISREG para busca de vaga”, acrescenta.

Hospitais contemplados com novos leitos

Os hospitais que terão os novos leitos de UTI são: Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, com 9 leitos neonatal; Hospital Pequeno Anjo, em Itajaí, com 6 leitos de UTI pediátrica; Hospital Azambuja, em Brusque, com 8 de neonatal e 2 de pediátrica; Hospital e Maternidade Jaraguá do Sul, com 2 de pediátrica; Hospital Infantil Jesser Amarante Faria, em Joinville, com 10 de pediátrica; Hospital Regional Alto Vale, em Rio do Sul, com 4 de neonatal; Hospital Regional de Araranguá, com 5 de pediátrica; Hospital Materno Infantil Santa Catarina, em Criciúma, com 7 de neonatal; Hospital Regional de São José, com 10 de neonatal; e Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão, com 5 de pediátrica.

Segundo o governador Carlos Moisés, a abertura de novos leitos é algo complexo. 

“Não é qualquer hospital que pode ter leito de UTI, precisa estar habilitado pelo Ministério da Saúde. Além disso, a maior dificuldade hoje está na contratação de profissionais para colocar em funcionamento leitos de UTI, como intensivistas, pediatras, por exemplo. Nós estamos pactuando com vários hospitais habilitados e vamos ampliar essa oferta nos próximos dias. Mas além dessa ampliação de 68 leitos em todas as regiões de Santa Catarina, é importante destacar a participação da sociedade em seu papel, cumprindo o esquema de vacinação de crianças, adolescentes e adultos que refletem na imunização dos bebês”, explica.

Toda a rede de UTI 

Segundo o Secretário de Estado da Saúde, Aldo Baptista Neto, o cenário, que antes se restringia ao atendimento neonatal e pediátrico, agora, inclui toda a rede de UTIs em Santa Catarina. 

Em Balneário e Itajaí já se formam filas na espera por leitos. Diante disso, vem sendo reforçada pelos governos municipais e estadual a importância da vacinação contra a gripe e a Covid – a quarta dose para os idosos e dose de reforço para crianças e adolescentes. 

O Hospital Marieta Konder Bornhausen, de Itajaí, também já não tem mais vagas de UTI para pacientes do SUS. 

A Unimed Litoral reativou recentemente uma UTI alternativa para atender a demanda recente.

A situação no Estado

Os dados do painel da transparência de domingo (29) mostram que o Estado está com 294 leitos de UTI neonatal e mais 89 pediátricos ativos, distribuídos nas sete macrorregiões. A abertura dos novos leitos significa um incremento de 13% nos leitos de UTI neonatal e 33,7% nos leitos pediátricos.

Para a abertura dos leitos anunciados nesta segunda pelo governador Carlos Moisés serão realizados novos convênios que permitirão às unidades a compra de equipamentos e contratação de recursos humanos. 

A expectativa é de que os leitos estejam em pleno funcionamento o mais breve possível, a partir de 10 dias.

O elevado índice de ocupação dos leitos de UTI se dá pelo aumento nos casos de síndromes gripais e dengue. 

Na região que contempla Balneário (Amfri) os leitos estão 100%, ocupados. 

A situação só chegou nesse cenário no auge da pandemia de Covid-19.

Mais notícias dessa editoria

Advertisment

Leia também