“Veio enganar a comunidade”, diz vereador Achutti sobre visita do governador Moisés a Balneário Camboriú

Relacionadas

“Se eu fosse prefeito, diria que não iria recebê-lo”, disse o vereador Marcelo Achutti sobre a vinda do governador Carlos Moisés a Balneário Camboriú nesta segunda-feira(1) (relembre aqui), que ele taxou de eleitoreira.

Ele considera que Moisés teve três anos e meio para vir a Balneário e ajudar com o convênio do Hospital Municipal Ruth Cardoso (a visita ao hospital teria sido o ‘principal motivo’ da vinda dele). 

“Eu admiro o prefeito Fabrício Oliveira, bacharel em Direito, que sabe que não pode receber e nem firmar nenhum convênio agora porque é época eleitoral! Se eu fosse prefeito, diria que não iria recebê-lo porque teve muitas oportunidades. Nunca nos ajudou em nada e teve tempo para isso! Por que o Moisés não veio antes firmar convênio? Todos sabemos que ele veio para Balneário para tentar trazer o Podemos, na figura do Fabrício, para a campanha dele. Veio enganar a comunidade, porque agora não pode nos ajudar com nada. É insensibilidade e falta de respeito”, disse.

“Ele que merecia umas boas chineladas”

O vereador lembrou que há lei eleitoral e que o governador não pode trazer nenhuma verba para Balneário neste momento, pontuando que o conselheiro do TCE/SC, Dado Cherem, inclusive suspendeu algumas emendas parlamentares porque entendeu que elas estavam sendo utilizadas como instrumento político. 

“E a deputada Paulinha é outra mentirosa, que disse que o governador veio no alargamento da faixa de areia. Ele não só não veio como ainda tentou fazer decreto impedindo a realização do evento de lançamento. Eu queria poder parabenizar, mas não dá! E ele ainda vai na Rádio Menina me criticar, falando que devo usar sandálias. Eu vou continuar usando o chinelo da humildade! Ele que merecia umas boas chineladas (risos)… por não ajudar o Ruth Cardoso. É uma vergonha! Não atende a cidade e é a gente que sofre. Ele só veio para fazer política”, pontua, lembrando que estão tratando de saúde pública, através do apoio com o custeio tão solicitado pelo Hospital Ruth Cardoso. 

“Nosso hospital tem problemas, mas está salvando vidas de toda a região! É uma vergonha ele só aparecer agora, quando não pode fazer nada… depois de três anos e meio”, completou.

Mais notícias dessa editoria

- publicidade -

Leia também